harmonização facial

O que é Harmonização facial?

É só buscar pelos tratamentos estéticos mais requeridos atualmente que você encontrará, no topo da lista, a harmonização facial. Como o nome sugere, essa intervenção visa harmonizar as estruturas e proporções da face, realçando pontos estratégicos e escondendo aspectos que incomodam o paciente. O objetivo não é mudar o rosto da pessoa, de modo que os outros percebam que algo foi feito, mas sim, fazer com que os outros digam “Você está diferente, mais bonita, parece mais nova e descansada”.

Como funciona a harmonização facial

O roteiro não é o mesmo para todos os pacientes, e é justamente isso que torna a harmonização facial tão assertiva. O médico, primeiramente, analisa com minúcia os detalhes da face detectar áreas que merecem tratamento.

Com essa investigação, o profissional pode optar, por exemplo, por atenuar olheiras, corrigir desproporções do queixo, aumentar as maçãs do rosto, corrigir defeitos no nariz, suavizar sulcos como o bigode chinês e as linhas de marionete, atribuir volume e forma aos lábios e melhorar o pescoço e o colo.

Essas intervenções podem ser conseguidas por meio da utilização de toxina botulínica (possibilita desde redução de rugas na porção superior do rosto, correção de sorriso gengival e da “boca triste”), do preenchimento com ácido hialurônico (melhora de volumes e contornos, bem como de sulcos e rugas), da lipo (principalmente na papada), da bichectomia e dos fios de sustentação (para um lifting facial não-ciúrgico).

E aquele papo de que harmonização facial substitui cirurgia plástica? É um boa alternativa sim, mas os efeitos são temporários e precisam de manutenção constante, tendo a vantagem de não provocarem cortes ou cicatrizes. Ela pode melhorar o contorno do nariz e aumentar o queixo, por exemplo, evitando uma rinoplastia e uma mentoplastia, respectivamente. Ou pode até dispensar um lifting facial cirúrgico, quando as alterações não severas.

Os produtos usados são totalmente absorvíveis e bem aceitos pelo organismo, o que reduz o risco de rejeição e complicações. Se a pessoa gostar do resultado e quiser permanecer com o tratamento, deve fazer a reaplicações periódicas, quando o efeito dos produtos começarem a sumir.

Tem contraindicação?

Não há uma idade mínima para o procedimento, o que, claro, não dispensa o bom senso. É comum que meninas adolescentes procurem esse recurso para melhorar problemas congênitos que atrapalham a autoestima.

Grávidas e pacientes que fazem uso de medicação imunossupressora ou anticoagulante não devem submeter-se à técnica. Quem já fez uso de PMMA, um preenchedor permanente, devem ser avaliados com muita cautela, uma vez que pode haver reações entre as substâncias utilizadas e posteriores complicações.

Existem riscos como hematomas, infecções, edemas e nódulos, porém, eles são bem raros. Escolher um profissional habilitado, credenciado pela sociedade médica respectiva à sua especialidade, com expertise nesse tipo de intervenção e que tenha conhecimento adequado para abordar complicações, é crucial para a segurança do paciente.

 

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião plástico em Patrocínio.

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp