cirurgia de reconstrução mamária

Cirurgia de reconstrução mamária: tire suas dúvidas

A cirurgia de reconstrução mamária tem grande impacto na vida da mulher após o câncer de mama. Esse procedimento é garantido por lei e consiste em uma cirurgia plástica reparadora.

Os seios trazem representatividade e são importantes também na construção da sexualidade feminina. Assim, é normal que a retirada parcial ou total da mama, em virtude de um câncer, seja causa de um sofrimento a mais para as mulheres.

Embora o procedimento seja bastante difundido, ainda é tema de muitas dúvidas e inseguranças. Acompanhe o artigo e entenda como funciona essa cirurgia.

O que é cirurgia de reconstrução mamária?

Em boa parte dos casos, a mastectomia parcial ou total é o tratamento mais seguro para eliminar o tumor no seio. Dessa forma, retira-se o tecido mamário, os mamilos e a aréola, ou poupa-se os mamilos e uma quantidade de pele da mama, mas o tecido mamário é removido.

A cirurgia reparadora visa reconstruir a forma, o tamanho e a aparência da mama retirada. Existem duas formas de reconstrução: o retalho abdominal e o implante. 

No primeiro caso, é utilizado tecido e gordura de outra área do corpo para moldar a nova mama. Quando o tecido doente não foi muito comprometido ou quando a paciente não tem gordura suficiente em outra região do corpo, utiliza-se próteses de silicone.

A escolha do tipo de procedimento vai depender de diversos fatores. É necessário conversar com o médico sobre a possibilidade da cirurgia de reconstrução durante o tratamento e antes da mastectomia. Em alguns casos, os dois procedimentos podem ser realizados em uma mesma cirurgia. Em outros, a reparação precisa ser realizada posteriormente.

Às vezes, é preciso realizar duas ou três cirurgias até chegar no resultado pretendido, respeitando o tempo de recuperação de cada uma. 

Questões importantes sobre a cirurgia

  1. A cirurgia de reparação tem grande efeito na reconstrução da autoestima e autoconfiança da mulher após a doença. É um passo importante e precisa ser bem discutido com o médico. É imprescindível que os resultados possíveis e as mudanças na aparência sejam bem especificados para não haver quebra de expectativa.
  2. Em muitos casos, a aceitação do diagnóstico requer paciência e cuidado. A reconstrução mamária deve ser avaliada no tempo da paciente, quando ela se sentir preparada.
  3. A reconstrução não interfere na sensibilidade da mama.
  4. O resultado estético pode ser diferente do esperado. Por isso, o apoio da família e o acompanhamento psicológico são importantíssimos nessa etapa.
  5. Os tratamentos coadjuvantes, como quimioterapia, radioterapia e medicamentos, podem influenciar na cicatrização da cirurgia.
  6. É possível que ocorra necrose dos tecidos transplantados e da cicatriz. Nesse caso, é realizada outra cirurgia para a correção, possibilitando uma deformação no formato da nova mama.
  7. Em algumas situações, é preciso intervir na mama saudável para alinhar o resultado estético, deixando o corpo mais simétrico.
  8. A radioterapia em curso pode ser um empecilho para a realização imediata da cirurgia, pois os efeitos colaterais podem prejudicar o sucesso do resultado.
  9. A reconstrução mamária não está associada à recidiva da doença. 

A decisão de realizar a cirurgia de reconstrução mamária é exclusiva da paciente. O médico pode orientar e ajudar no processo, e a família também possui um papel importante, apoiando a decisão tomada e respeitando o processo de recuperação da paciente.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião plástico em Patrocínio.

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp